Saiba os riscos que você corre ao usar Wi-Fi pública

Quem não gosta de estar conectado por onde passa e estar sempre antenado às últimas notícias ou ao que rola na rede social? Se para estar plugado à rede mundial você faz uso da Wi-Fi pública do shopping ou do café, saiba que você corre sérios riscos de ter suas informações vazadas. Se você costuma usar programas ou sites que trafegam dados sensíveis como emails ou bancos, pior ainda, isso sem falar daqueles que utilizam a internet para o trabalho, esses podem até estar correndo risco de serem demitidos por vazar informações.

Recentemente foi descoberta uma vulnerabilidade em redes Wi-Fi, que utilizam a forma mais segura de conexão – a WPA2, com o nome KRACK, diminutivo para Key Reinstallation Attack (Ataque de Reinstalação de Chave), onde aqueles que utilizam Linux e Android estão mais vulneráveis. Isso possibilitou que “qualquer um” possa ter a possibilidade de ver o que está passando nas conexões até mesmo de sua casa, agora imagine em um lugar público.

Talvez a maior ameaça de conexões públicas seja a possibilidade de alguém ficar entre seu dispositivo e a conexão com a internet sem que você perceba. E isso não é tão difícil de fazer. Assim o hacker atuaria como se fosse, analogamente, uma extensão de energia elétrica que fica entre o aparelho e a tomada repassando essa energia e tendo a possibilidade de filtrar, analisar e até mesmo alterar tudo o que ali se passa. Ou seja, você manda as informações para ele acreditando estar enviando para a Internet e ele manda para a Internet como se fosse você, e o mesmo acontece se você estiver recebendo informações, essas informações são passadas para ele, pois a Internet acreditará que ele é você, e ele repassará essas informações a você lhe fazendo acreditar que vieram diretamente da Internet. E nesse meio tempo todas essas informações foram devidamente espionadas por ele como e-mails, números de telefone, números de cartões, senhas, dados de trabalho e por aí vai.

A melhor dica que eu posso lhe oferecer é simplesmente não use Wi-Fi pública, mas se realmente for um caso de necessidade e o uso for inevitável, saiba dos riscos que você corre e pelo menos tome algumas precauções para que sua conexão e seu uso seja feito da forma mais segura que for possível:

  1. Não abra qualquer aplicativo que trafegue informações sensíveis, isso inclui aplicativos de e-mail, de bancos ou qualquer outro que você ache que trafegue informações como nome, endereços, telefones, senhas, etc. Lembre-se que algumas contas pedem para que você forneça, por exemplo, seu número de telefone quando se faz o cadastro, portanto mesmo sem notar você estará fornecendo uma informação sensível a um hacker para praticar engenharia social.
  2. Evite as redes ruins, prefira as menos ruins. Se você possui opções, como em um aeroporto, por exemplo, onde existe uma rede geral do aeroporto, mas existem outras redes de lojas ou restaurantes, prefira as redes dos estabelecimentos; se essas forem ainda mais restritas exigindo que você seja um cliente para poder usá-las, melhor. Prefira, também, as redes que precisam de senha às redes totalmente abertas. Se o nome da rede for algo do tipo “Wifi Grátis” ou “Internet de graça” tenha absoluta certeza de que se trata de uma armadilha.
  3. Desative o compartilhamento de arquivos, a busca automática de e-mails e o Airdrop. Você pode até não controlar quem está utilizando a mesma rede que você, mas o controle do seu equipamento é seu. Certifique-se que seu antivírus está atualizado, seu firewall habilitado e que o mínimo de programas que usam a internet estejam rodando.
  4. Utilize HTTPS sempre que puder. O protocolo HTTPS adiciona criptografia às comunicações HTTP. Vários sites possuem HTTPS habilitado, então se você digitar na frente do endereço do site o https:// e o site possuir a funcionalidade, você estará bem mais seguro. Existem extensões para os navegadores, principalmente para o chrome, que fazem isso automaticamente (como o HTTPS Everywhere), ou seja, quando você digitar o endereço no navegador, primeiro ele tenta o HTTPS e se não conseguir ele vai por HTTP.
  5. Desligue sua rede Wi-Fi sempre que não estiver em uso, com isso você evita se conectar automaticamente em redes inseguras sem perceber e antes de tomar as medidas de segurança citadas acima.
  6. Se possível utilize VPN nas suas conexões. Eu geralmente não recomendo o uso de VPNs à venda na Internet, como aquelas usadas para habilitar o uso de conteúdo restrito a outros países (como é o caso de alguns títulos do Netflix bloqueados para determinados países), mas certamente é uma opção bem mais segura que usar uma Wi-Fi pública diretamente. Mesmo assim recomendo que não ache que esteja seguro utilizando tal recurso e não use qualquer coisa que trafegue dados sensíveis, pois essas empresas de VPN também podem estar espionando os dados trafegados. Use somente como um meio a mais de proteção para usos comuns, como ler notícias. Agora se sua empresa disponibiliza acesso VPN ou se você tem em sua casa um computador configurado para receber conexões VPN aí sim recomendo que utilize a técnica de ao conectar na Wi-Fi pública em seguida conectar em sua VPN privada e desfrutar da segurança que você tem em sua empresa ou em sua casa.
  7. Utilize sua própria conexão à Internet. Certamente essa é a melhor forma de conexão quando se trata de evitar espionagem de tráfego. Usando no celular ou compartilhando a conexão do celular para o notebook. É claro que há casos onde não se pode ter sua própria conexão, como quando em viagem ou com planos de dados mais limitados, mas pesquise por planos melhores e talvez por outras operadoras, com certeza você encontrará um plano de Internet que case seu orçamento às suas necessidades.

E se você tem uma dúvida, crítica ou sugestão, por favor me informe nos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *